Por Mauricio Reck

Consultor de Inovação do Sebrae/PR

A pandemia do Coronavírus fragilizou o mundo, impactando não apenas nossas vidas pessoais como também nossos negócios. Os empreendedores mais antenados, porém, logo passaram a acompanhar as novas relações que estão se estabelecendo no mercado a partir de agora. Pensando nisso, o Sebrae lançou recentemente o Guia de Tendências 2020-21: Sociedade e Consumo em Tempos de Pandemia, que traz uma série de informações sobre as novas mentalidades de consumo e novas configurações laborais, durante e pós-pandemia.

Embora o Guia seja de extrema importância para que você, empreendedor, possa compreender melhor sobre o novo cenário global, sabemos que ainda assim “um exemplo pode valer mais que mil palavras”, não é mesmo? Por isso agora trazemos este artigo, que contém diversos exemplos de iniciativas no seu setor que estão captando muito bem o atual Zeitgeist e as novas tendências de mercado!

O varejo tradicional, no caso, depende diretamente do desejo de compra do consumidor e das relações construídas com ele. Mas como despertar esse desejo em um público que já não se encontra mais nas ruas? Onde e como resgatar este relacionamento?

Entre as maiores tendências atuais (que, apesar dos grandes impactos da pandemia, não são unicamente originadas dela) muitas são voltadas para as necessidades humanas, especialmente sobre aspectos emocionais e coletivos. Em contrapartida, há também uma “nova realidade” surgindo em decorrência da popularização de inovações tecnológicas, como a internet e todos seus recursos — que ao mesmo tempo em que facilita a vida prática das pessoas, também as isola por dispensar interações presenciais.

Percebendo como transitar entre estes pontos, a Dengo inovou em atendimento abrindo a primeira “loja ao vivo” do país. Via streaming, a marca brasileira de chocolates inaugurou uma loja virtual que disponibiliza o catálogo de produtos, viabiliza a compra online e transmite um vídeo ao vivo. No vídeo, um atendente interage com as pessoas que acessam o site, orientando sobre a utilização da plataforma e respondendo dúvidas sobre os produtos. Uma excelente alternativa para tornar a experiência de compra online mais calorosa, especialmente em tempos de distanciamento social.

Também na onda de inovações contactless, em português: sem contato, a Onii é outra empresa brasileira que tem se destacado por oferecer um novo conceito de compra em solo nacional: lojas de conveniência autônomas. Essas lojas não dependem de atendentes humanos e são instaladas dentro de condomínios, a fim de tornar o dia-a-dia de moradores e funcionários mais prático. Para comprar, basta ter o aplicativo instalado no celular, dirigir-se ao espaço das lojas e escanear os produtos que estão sendo adquiridos (o pagamento acontece pelo próprio aplicativo, dispensando espera em filas e afins).

Mas se o problema do consumidor é a saudade dos amigos para fazer compras em grupo, em Israel o Squadded Shopping Party foi criado para reaproximar pessoas afastadas pela pandemia. No site, os usuários podem convidar amigos para participarem de suas compras, sendo possível que todos visualizem os itens adicionados ao carrinho e possam interagir através de um chat (que permite até a criação de enquetes!). Direcionado exclusivamente para o setor da moda, o site permite que os consumidores recebam opiniões dos seus melhores amigos mesmo durante compras online, e possam se sentir mais seguros ou satisfeitos com suas escolhas.

Outras formas de atingir o consumidor neste novo cenário, porém, podem ser feitas de modo mais descomplicado. É possível se inspirar em ideias mais simples, como adaptação ou expansão de modalidades de pagamento, ou mesmo utilizar serviços já criados com o intuito de facilitar a vida prática dos pequenos negócios. Nesse caso, o Subway e o Facebook podem ser ótimos exemplos sobre buscar inspiração em outros segmentos: algumas lojas da rede de montagem de sanduíches recentemente passaram a aceitar pagamentos em criptomoedas (como o bitcoin), e o Facebook lançou em maio deste ano a plataforma Facebook Shops (que contém recursos avançados de customização e gerenciamento de vendas online).

O recurso Facebook Shops, em desenvolvimento há pouco mais de um ano e já disponível no mercado brasileiro, teve seu lançamento acelerado devido aos impactos da pandemia da Covid-19. Sua função é disponibilizar aos usuários uma loja virtual com criação facilitada integrando Facebook e Instagram. Outro recurso do grupo Facebook prestes a ser lançado, ainda em processo de análise e liberação pelo Banco Central do Brasil, é o WhatsApp Pay (Pagamentos), uma função que facilita a venda de produtos e serviços a partir de transações financeiras no aplicativo de conversas.

Embora sejam ideias diferentes entre si, em todos os exemplos acima é possível notar um fator em comum que, atualmente, se torna imprescindível para a sobrevivência do varejo nos novos tempos: a presença digital (e um uso inteligente dela, claro). Seja para criar uma experiência totalmente nova de compra ou simplesmente marcar presença e expandir vendas, o fato é que possuir um canal de comunicação online com os consumidores deixa de ser tendência e agora se torna a norma.