O jornalista, economista e colunista da ISTOÉ Dinheiro e Portal IG, Luís Artur Nogueira, falou sobre o futuro econômico e as oportunidade$ no Brasil. A palestra foi interativa e dinâmica e contou com participação do publico por meio de perguntas que foram respondidas ao longo da apresentação, que aconteceu no segundo dia do Viasoft Connect 2020.

Nogueira abordou o cenário mundial e os impactos do coronavírus na economia e disse que está otimista com a recuperação econômica, apesar do quadro de recessão mundial.  Comentou que a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China pela supremacia tecnológica poderá reduzir o consumo e respingar no Brasil.  E ressaltou que é a favor de uma política externa abrangente com a consolidação dos negócios com todos os mercados e parceiros internacionais”.

O jornalista disse que a pandemia jogou o mundo para um processo recessivo em 2020, e encolheu em média de 3% a 4%, e estima um crescimento econômico brasileiro de 3,5% para 2021 e 3% para 2022.

Conforme projeções do economista, o único setor que não encolheu e continuará crescendo é o agronegócio. Nogueira pontuou que se não fosse o crédito das cooperativas e das fintechs financeiras, os médios e pequenos empreendedores teriam sido prejudicados em grande escala pelos efeitos da pandemia. Recomendou que “as empresas de tecnologia devem ter um olhar mais significativo para esse lado e conseguir abrir um braço de seus negócios no agronegócio, que continuará sendo o setor mais forte da economia brasileira”.

Ao comentar os impactos da pandemia na economia nacional, Nogueira destacou a alta do dólar, bem como a queda nas bolsas de valores, o fechamento de fábricas e do varejo e também a redução de salários, jornada de trabalho e desemprego. Para passar pelo momento da crise. O jornalista comenta que a partir do ano que vem há um enorme desafio: encerrar o auxílio emergencial e criar um programa de renda. O fato é que esse programa vai substituir o Bolsa Família para evitar que a renda de milhões de brasileiros despenque da noite para o dia”, disse.

Do ponto de vista político e sua influência no cenário econômico, Nogueira vê alguns problemas, entre eles, a briga entre os liberais e os desenvolvimentistas que pode desaguar em duas vertentes: criar o populismo econômico ou contribuir para a recuperação. E ainda disse que a maior incerteza política é a eleição para presidência da Câmara dos Deputados e Senado Federal, “conforme o resultado poderá á paralisar o governo ou acelerar a recuperação”.

Destacou alguns fatores imprescindíveis para que o Brasil consiga enfrentar o quadro recessivo imposto pela pandemia: vacina segura, eficaz e em grande escala, ajuste fiscal e estabilidade institucional.

Sobre as oportunidades para o Brasil, Nogueira ressaltou que os investidores, empreendedores e governo devem pensar que: o mercado consumidor brasileiro é o maior do mundo, temos a maior oferta de projetos de infraestrutura do mundo, somos uma liderança produtiva e tecnológica no agronegócio, a tecnologia no país está mais barata e acessível, o consumidor aprendeu a usar mais os canais digitais, houve um crescimento de projetos multiplataformas. E, por último, o mercado físico deve proporcionar experiências inesquecíveis aos seus clientes.  Nogueira finaliza sua apresentação assegurando que o desafio ouro para a economia é desvendar esse “novo” consumidor pós-pandemia.

 RESULTADO DA ENQUETE

 1 – O Brasil terá pelo menos uma vacina segura, eficaz e em larga escala até o fim do 1º semestre de 2021?

Sim – 74%

Não – 26%

2 – O que é mais importante para o Brasil neste momento?

Reabrir a economia – 78%

Controlar a pandemia – 15%

Equilibrar os dois desafios 7%

3 – Qual é o fator mais importante pra estimular a inovação e o empreendedorismo no Brasil ?

Mais crédito – 15%

Menos burocracia – 44%

Segurança jurídica  – 8%

Simplificação tributária – 33%

4- Quando a pandemia acabar, os consumidores terão realmente incorporado um novo comportamento?

Sim, em grande parte – 68%

Não, a maioria volta ao que era antes – 32%

5 – Daqui 12 meses, como estará o desempenho dos seus negócios:

Melhor – 81%

Igual – 15%

Pior – 7%

Conteúdo: Básica Comunicações

Apoio: Lei de Incentivo à Cultura, Copel e Governo do Paraná

Patrocínio: Condor, Copel, Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania

Patrocinadores: Horizons Telecom, Sistema Fiep, Pós PUC Digital, Condor, Grupo Voitto, Haze Shift, Nexcore, Task TI, Ateliware, Exact Sales, LB2 Consultoria

Correalizadores: Vale do Pinhão, Agência Curitiba de Desenvolvimento, Prefeitura Municipal de Curitiba, ABRH-PR, Condor Connect, Governo do Estado do Paraná, OAB/PR, Sebrae, RPC, Inside Sales Curitiba, CS Move, Women Leadership

Apoiadores: iCities, Faciap, Unifacear, Instituto das Cidades Inteligentes, Unicentro, CREA-PR, Unidep, ADVB-PR, Assespro, Curitiba Angels, Gazeta do Povo, Gazz Conecta, Hotmilk, AAA Inovação, JValério, Great Place to Work, GhFly, Curitiba e Região Convention & Visitors Bureau (CCVB)